A primeira carta…

Curitiba, primavera de 2013.

Querido Anjo,

Porque foi único. E é estranho e raro que soubéssemos sempre as palavras um do outro e ao mesmo tempo. Mas mais bonito ainda é a surpresa da linguagem do olhar, justo pra nós que falamos tanto. Minha alma brilha quando o tempo passa, anos e anos, conversando e conversando e conversando de assuntos que são quase obras de Escher ou a localização do mar Adriático, e ao invés de ficarmos cansados, ficamos com mais vontade de. E rimos, um do outro e um com o outro. Mas rimos sobretudo de nós mesmos, cada um de si, confessando fraquezas e bobeiras, porque estar a vontade é isso mesmo, sem medo algum, acolhidos e amparados, sem peso ou constrangimento das humanidades que nos aproximam. E eu te conto de mim e das coisas que nem eu mesma sabia antes de te falar, e vc conta suas histórias como quem visita uma casa antiga, agora com a presença do sol. Agora a saudade de sempre será temperada pelo desejo de quando. De pernas entrelaçadas esperando adormecer um sobre o outro. Um cheiro de pele que traz uma embriaguez mansa que não poderia ser chamada de outra coisa, senão paz.

___________________________________________________

* Primeiro texto do nosso pseudônimo coletivo, de várias faces, vários humores, culturas e histórias, assim como uma só pessoa também é. Em breve novos textos e histórias anônimas, ou nem tanto, estarão aqui no blog. Ahh estamos aceitando sugestões de nomes para o pseudo coletivo.

Anúncios

Uma opinião sobre “A primeira carta…”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s